Aborto, drogas, armas...

Aborto, drogas, armas... Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós... Este foi o samba enredo do ano de 1989, da escola de samba Imperatriz Leopoldinense, do Rio de Janeiro. A canção marcou minha adolescência quando morava no Maranhão. Queria logo essa tal de liberdade! Que ela abrisse as asas sobre mim! Pois bem, a música tornou-se um hino para todos que almejam a liberdade. Aliás, liberdade é o sonho de consumo de boa parcela das pessoas. Reclama o marido que quer sua liberdade de volta após o casamento. Resmunga a esposa que liberdade tinha ela quando solteira. Liberdade quer o adolescente, ansiando os 18 anos. Ah, essa tal de maioridade, que beleza! Pode beber, dirigir, o jovem só esquece que depois dos 18 o “bicho começa a pegar”. A propósito, como criticar alguém por querer liberdade? Não dá, não é legal... E tenho acompanhado esse grito de liberdade que todos guardam em seus corações, gargantas, mentes e demais partes do corpo, claro que cada um a seu modo a pedir liberação do que lhe é conveniente. Uns querem a liberação das drogas. Maconha já! Outros pedem a liberação do porte de armas. É um direito do cidadão andar armado, afirmam. Há uma galera que pede a liberação do aborto. Alegam que o corpo é da mulher, portanto, ela faz o que quiser. Até transar sem camisinha pode. Bem, poder, pode, mas... faz filho, e o povo esquece que filho dá trabalho, fralda custa caro, leite está pela hora da morte, papinha então, nem me fale... Ás vezes até parece que o bacana é contrariar, se algo é proibido, simbora, então, pedir que seja liberado... E se for liberado pedirão a sua proibição... Ninguém se entende. É mais ou menos o dito popular: O que é proibido é mais gostoso! E o que é liberado perde a graça! Partindo deste princípio, acima exposto, tenho pensado muito em lutar pela criminalização dos livros, aliás, dos bons livros... Ler bons livros será crime inafiançável... Imagino a cena: você lendo na praça, então passa o policial e dá voz de prisão... Está lendo, rapaz, mãos para trás, será algemado pela razão de portar livros, com o agravante de ser um bom livro e ter mais de 200 páginas... Ah, pelo seu abuso de ler verá o sol nascer quadrado por um bom tempo. E quando te julgarem, dirão que pagas pelo crime do conhecimento... Se foi assim com Adão, por que seria com você? Então, sendo criminalizado os bons livros o povo sairia às ruas, discutiria em redes sociais, proporia debate sobre a leitura nos mais variados e populares programas de televisão. Parece até que estou vendo as faixas e todos a pedir: Vamos descriminalizar os livros... Vamos descriminalizar a leitura! Como gostamos do proibido, os livros estarão na crista da onda, junto com temas como aborto, drogas, armas...

Apliquei, novamente, a metodologia encorajada por Kardec. Vejam os resultados.

Retorno, em artigo, para falar de cura espiritual. Faz alguns meses que publiquei os resultados dos exames de meu filho, João Antônio, após utilizar a metodologia preconizada pelo Sr. Dombre, do Grupo Curador de Marmande, que consiste na aplicação de "passes" por parentes e amigos com o intuito de curar o familiar enfermo. Mais detalhes podem ser capturados na Revista Espírita, mês de maio, ano de 1867. Para situar o leitor, informo que meu filho possui hipercolesterol, sendo, pois, há muitos anos drogadependente. Como não residimos na mesma cidade, posso fazer o teste, a aplicação dos "passes", apenas nas férias de cada ano, ou seja, meses de dezembro e julho. Nesta última vez colhemos os exames no dia 26/12/2017 e os resultados estão abaixo: LDL - 302,1 HDL - 35,4 Total - 358,2 Triglicerídeos - 103,7 Glicose - 93 Realizamos a aplicação dos "passes" uma vez ao dia, apenas com a imposição de mãos e amor. Não guardamos comprometimento com horário nem com local. Ou seja, um dia aplicávamos o passe pela manhã, no outro a tarde e, em outro dia ainda, pela noite, fosse em nossa casa, fosse em casa de amigos ou hotel. O tempo de duração do passe não excedia 30 segundos, mas reitero que não nos preocupamos com este detalhe. No total foram 8 passes aplicados e realizamos o derradeiro exame no dia 03 de janeiro de 2018. Vale lembrar que no período de festas não houve qualquer preocupação quanto a alimentação do menino, nada de regime ou dieta. Não regulamos nenhum alimento e deixamos tão somente a cargo do garoto ingerir o que bem entendesse. É claro que esta prática foi apenas para os dias de festas, mas desaconselhamos quem tenha um problema deste porte - hipercolesterol - a abster-se da dieta, seja dentro ou fora do período festivo. O garoto prosseguiu com a medicação - sinvastatina de 30 mg ao dia. Abaixo trago os resultados do exame realizado em 03 de janeiro. LDL - reduziu de 302,1 para 257,9 HDL - aumentou de 35,4 para 39,8 - vale lembrar que o HDL é o que, grosso modo chamam de colesterol bom, ou seja, aumentá-lo, neste caso, foi positivo Total - reduziu de 358,2 para 322,5 Triglicerídeos - aumentou de 103,7 para 123,9 Glicose - reduziu de 93 para 89 Resultados positivos num curtíssimo espaço de tempo. Talvez você possa pensar que o menino não estava tomando a droga de forma correta, e ao me encontrar passou a ingeri-la corretamente, resultando na melhora imediata de sua condição. Pode ser. Como disse acima, não residimos juntos e, portanto, minha fiscalização quanto a ingestão correta da droga é apenas verbal, em nossas conversas ao telefone. O garoto garante que em minha ausência está tomando os remédios de forma correta, mas não descarto a possibilidade de esquecimento de ingestão da droga vez ou outra, ou vez em sempre, o que, convenhamos, pode ser um dos fatores de aumento e diminuição dos números acima relatados. Em todo caso há fortes indícios de que a aplicação dos passes, conforme preconiza o Sr. Dombre na Revista Espírita, com a chancela de Allan Kardec, vem trazendo resultados positivos. Procurado há algum tempo por uma amiga, cuja filha passava por momentos de angústia, pesadelos constantes e medo da morte, sugerimos seguirem o exemplo do Grupo de Marmande. Após alguns dias de aplicação de passes, relatou-me a amiga significativa melhora na condição da filha. Isso já faz alguns meses e os problemas não voltaram. Creio nunca ser demasiado recordar que, de forma alguma sugerimos a substituição da medicina formal pelo magnetismo, até porque meu filho prossegue, firme e forte, no tratamento de seus problemas orgânicos com a ajuda dos médicos e demais homens da Ciência terrena. Deixamos, pois, para apreciação dos amigos os números acima citados. Não descartamos absolutamente nenhuma hipótese, portanto prosseguiremos nesta tarefa, talvez modificando uma ou outra coisa e partindo, quem sabe, para a fase da aplicação dos fluidos a distância, até porque, muito mais do que provar alguma coisa queremos a saúde do garoto. Entretanto, julgamos valer o registro.